Olá, a todos! Em 13 de janeiro de 2015, publiquei aqui no nosso blog o post To be bilingual or not to be bilingual: that’s the question (#not)!, sobre estar criando meu filho Eduardo, então com dois meses e meio de vida, de forma bilíngue. Tive dois excelentes comentários em meu texto, que me motivaram ainda mais a seguir minha senda. Não vou repetir tudo o que escrevi (estaria “roubando” a oportunidade de vocês lerem ou relerem o texto, caso ainda não o tenham feito), mas só relembrando...

Todo estudante de língua estrangeira sonha com o tempo em que estará falando “fluentemente” o idioma escolhido. Dentre os principais mitos citados no artigo 7 conceitos de fluência e o que você deveria saber a respeito dela, um dos mais frequentes é o de que ser fluente significa falar sem pausas. E não é pra menos. UM RÁPIDO TESTE Façamos o seguinte teste: se você fosse professor de idiomas e um aluno, ao final de uma aula, lhe perguntasse de repente “professor, o que posso fazer para melhorar a minha fluência...

I have heard it being called 'emerging language' and 'incidental language'. However, I prefer 'emerging unplanned language ' (EUL) as 'emerging language' is often used in a wider language acquisition sense and 'incidental' can imply something of minor consequence, which it is not. If anyone has an existant word, or a better one, then please let me know. So what are we talking about? I am referring to the language which arises during the actual delivery of the lesson. The language which is 'unplanned', so to speak. The language...

No artigo 7 conceitos de fluência e o que você deveria saber a respeito dela, apresentei algumas definições de “fluência” comumente encontradas na internet e procurei mostrar como elas são ainda bastante vagas e controversas (mesmo entre os profissionais da área de idiomas), dando ensejo aos mais diversos usos e abusos do termo pelo mercado. Ao final do artigo, propus um exercício de reflexão aos leitores: que formulassem seu próprio conceito de fluência a partir de 10 assertivas comumente utilizadas pelo senso-comum, já que, como pretendi deixar claro,...

I want to talk about drilling. To be more specific, repetition drills. A repetition drill is a technique, which involves the students listening to a model of a word or phrase, usually provided by the teacher, and then repeating it. The original rationale for repetition drills was based on a behaviourist view of language learning. The idea that learning a language was a question of habit formation and that repeating words and phrases ad nauseam would result in mastery of the language. This view of language learning has since been...

No artigo intitulado O que nunca lhe contaram sobre terminar um curso de idiomas em tempo recorde, procurei contextualizar e explicar criticamente o surgimento da necessidade de se falar um idioma “fluentemente” (o mais depressa possível) em decorrência principalmente da mudança de paradigma e das exigências do mercado na sociedade atual. Indo na direção contrária, afirmei que a fluência em um idioma, a fim de tornar-se uma habilidade permanente, deve ser incorporada ao próprio ser como uma espécie de segunda natureza, e que cada indivíduo leva um tempo...

O aumento da renda familiar ocorrida nos últimos anos aliado à crescente demanda do mercado de trabalho por profissionais com fluência em inglês têm ocasionado um grande aumento na demanda por cursos de idiomas no Brasil. Afinal de contas, para ter um bom currículo e tornar-se um profissional valorizado é essencial aprender uma segunda língua o quanto antes. Não concordam? O MERCADO ESTÁ (SEMPRE) DE OLHO A partir da intensificação do senso comum de que não se aprende uma língua estrangeira nas escolas regulares brasileiras, especialmente ao longo das três últimas...

I believe it’s fair to say that one of the most important elements that contribute to the success of a lesson is certainly the amount of challenge learners are posed with. And when we think about challenge in a broad sense, we should certainly take into account the sources of language learners will be exposed to, what the target language to be worked with is, how student-centered the lesson has been designed to be, what we expect learners to produce, and motivated and engaged they are in the...

Com que frequência você se depara com a afirmação que dá título a este post, ou com alguma de suas inúmeras variações, especialmente no contexto da divulgação de métodos de ensino e/ou aprendizagem? No que concerne à aprendizagem de línguas estrangeiras, uma rápida pesquisa no Google logo comprova a presença dessa assertiva no discurso de boa parte das escolas nos dias de hoje (seja de idiomas, seja regular), geralmente na tentativa de explicar a sua metodologia de ensino e conquistar novos clientes: “você aprende sem perceber e quando vê já está...