Nem contra nem a favor – a Copa na sala de aula

Dizem que o ano começa agora – passadas as férias e o Carnaval, vamos retomar a vida até a próxima parada: a Copa do Mundo. Será impossível ficarmos alheios ao evento, que terá impacto inclusive no calendário escolar. Sem entrar no mérito da questão do ponto de vista político e econômico, tento aqui colocar o foco na sala de aula de língua(s) estrangeira(s), e pensar em como trazer o assunto para a nossa prática.

Os alunos que hoje estão no Ensino Fundamental ainda não terão ingressado no mercado de trabalho em 2016, ao contrário dos que hoje estão matriculados no Ensino Médio.  Não podemos perder de vista, contudo, que a necessidade de desenvolvimento de competências na língua estrangeira não se esgota nos dois eventos mencionados. O Brasil recebe regularmente um número expressivo de visitantes estrangeiros participantes de congressos e eventos[1], além de turistas. Este fluxo de visitantes gera uma necessidade cada vez maior de uso da língua estrangeira não só nos serviços diretamente relacionados à indústria do turismo, mas nas áreas de mídia, negócios, transportes e outros. E em todos esses campos faltam profissionais fluentes em outras línguas. Aproveitar os eventos internacionais para aumentar a percepção dos alunos sobre a importância de falar outros idiomas é por si só um objetivo relevante.[2]

Falando especificamente sobre a Copa do Mundo, que oportunidades de aprendizagem de língua estrangeira este evento nos oferece? Como podemos “trazer a Copa” para a sala de aula?

  1. Usando exemplos de uso da língua em contexto. Eventos de grande porte têm tal exposição na mídia nacional e internacional que não faltará material “autêntico” para uso em classe. Artigos, notícias, entrevistas, peças publicitárias e outros oferecem múltiplos exemplos de uso da língua estrangeira, não só como modelos de uso mas como pontos de partida para reflexão.[3]
  2. Expandindo vocabulário relativo aos jogos, às regras do futebol, às gírias.[4]
  3. Debatendo situações e acontecimentos do cotidiano, ligados ao esporte, contribuindo assim para a formação global do indivíduo. Por exemplo, as lamentáveis demonstrações de racismo, de agressividade e de violência no futebol que povoam nossos noticiários.[5]
  4. Sugerindo temas relacionados ao esporte, encorajando a pesquisa e reflexão, a comparação entre notícias publicadas no Brasil e em outros veículos de comunicação de outros países, por exemplo.[6]

As referências inseridas neste post são pequenos exemplos de materiais publicados na internet, como sugestão para o desenvolvimento de atividades em sala de aula.

E fora da sala de aula, para quem gosta de futebol, recomendo:

Foer, Franklin. How Football explains the world: an unlikely theory of globalization, Arrow Books, 2006.

Galeano, Eduardo. Futebol ao sol e à sombra. L&PM Pocket, 2004

Goldblatt, David. The ball is round: a global history of football Penguin, 2008

Kuper, Simon; Szymanski, Stefan Soccernomics: why England loses, why Spain, Germany and Brazil win, and why the US, Japan, Australia and even Iraq are destined to become the kings of the world’s most popular sport. 3rd Edition. Nation Books, 2014.

Kuper, Simon. Soccer against the enemy: how the world’s most popular sport starts and fuels revolutions and keeps dictators in power.3rd Edition. Nation Books, 2010.

Enjoy!

 


Sandra Possas

Sandra Possas (MA TEFL, University of London; RSA DipTEFLA, MBA Business Management, Ibmec RJ), Diretora Editorial da Richmond no Brasil, é linguista com experiência em ensino de inglês como língua estrangeira, formação de professores e desenvolvimento de materiais de ensino.

No Comments

Post A Comment