Professor Particular pode cobrar 13º salário?

Sabe aquele momento em que fica claro que você saiu da escola pra se tornar professor autônomo mas a escola não saiu de você?

Não? Então vem comigo aqui.

Com o fim do ano se aproximando vão diminuindo as perguntas que recebo a respeito de captação de alunos e vão aumentando aqueles querendo saber sobre cláusulas contratuais e formas de se sustentar no período dezembro/janeiro, onde vários alunos costumam “desaparecer” e só voltar depois do carnaval.

Antes de mais nada, sugiro demais assistir esta playlist gratuita sobre Cláusulas Contratuais e este vídeo onde eu explico detalhadamente sobre férias para professores particulares.

Dito isso, dentre as formas de se sustentar eu recebo muitas perguntas sobre como um professor particular pode receber o 13º salário, aquele que a gente recebe no final do ano quando é contratado CLT por qualquer empresa.

A resposta é simples: o 13º salário não existe para professor particular se você trabalha com qualquer tipo de cobrança/recebimento baseado em número de horas.

A explicação pra isso está na própria razão pela qual a lei do 13º salário existe, olhe só essa conta simples:

Imagine que João é um trabalhador contratado que recebe R$ 937,00 por mês corretamente na carteira assinada.

O João recebe o valor de 937,00 calculado sobre 1 mês padrão de 4 semanas.

Considerando em 1 mês padrão de 4 semanas temos: 4 semanas x 7 dias por semana = 28 dias

Assim, 4 semanas x 12 meses (1 ano) = 48 semanas.

O problema é que o ano tem 52 semanas, não apenas 48. Assim, faltam 4 semanas, ou seja, 1 mês.

Logo, o 13º salário que João receberá no final do ano não é qualquer bônus ou prêmio, isso é apenas a correção financeira das 4 semanas que João trabalhou durante o ano sem receber por isso.

Se você cobra suas aulas baseando-se no preço que custa cada hora de aula sua, então não faz nenhum sentido você receber um 13º, já que já recebeu o valor exato que deveria durante o período.

Um exemplo muito simples de entender são as suas contas de casa, como água, eletricidade, etc. Todas elas são cobradas de acordo com o uso, logo você não paga 13º pra elas.

Deixar de ser contratado com carteira assinada para ser autônomo significa justamente mudar um pouco de sua visão profissional.

Não dá pra ser autônomo esperando as vantagens do contratado, como 13º salário e adicional de férias.

Enquanto autônomo o que podemos ter são as vantagens que o MEI nos oferece e aquelas estratégias financeiras que traçamos para que nos mantenhamos financeiramente estabilizados.

Uma das coisas que você pode fazer é manter uma reserva de emergência devidamente aplicada para te render até que chegue ao final do ano.

“Devidamente aplicada” sendo a palavra-chave: não deixar dinheiro parado na poupança que vem rendendo cada vez menos e muito menos na conta corrente, onde não rende nada e você acaba tendo seu dinheiro desvalorizado com o tempo e ainda por cima pagando taxas.

Uma boa ideia é aplicações bem simples em fundos com liquidez diária, ou seja, aqueles investimentos que você pode sacar a qualquer momento, com por exemplo o Tesouro Direto Selic. Gente, quando você para pra ver como faz, se assusta com o quão simples é, e eu aqui deixei meu dinheiro parado por tanto tempo.

Sobre investimentos para professores particulares, dê uma olhada neste texto e estou à disposição! 🙂

Vinicius Diamantino

Opa, tudo joia? Meu nome é Vinicius Diamantino, eu sou o fundador da DeProfPraProf, Professor de Inglês há mais de 10 anos, Master Coach e Treinador de Professores, criador do blog www.deprofpraprof.com.br e de vários cursos para professores particulares. Fique à vontade para entrar em contato comigo pelo contato@deprofpraprof.com.br!

1 Comment
  • Aline Dantas
    Posted at 23:37h, 19 outubro Responder

    Adorei a explicação , muito didática! Gratidão pelo trabalho dedicado a nós !!

Post A Comment