Pensar é algo natural para todos nós.  Segundo a Wikipedia, é uma faculdade do nosso sistema mental através da qual modelamos o mundo para nele podermos transitar e agir segundo a nossa vontade. Pensar vem de fábrica, ou seja, é grátis. Por esse motivo, não se aprende a pensar. Se é assim, por quê então ainda vemos tanta gente por aí dizendo que você só será fluente em um idioma quando conseguir pensar nele? O SENSO COMUM Ainda outro dia, estava eu a observar uma professora em uma turma de...

Durante a cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, transmitida ao vivo para o mundo inteiro, o Brasil deu mais uma prova de que o nosso povo é capaz de realizar grandes feitos. O espetáculo estava uma lindeza só e tudo transcorria maravilhosamente bem: apresentações impecáveis dos nossos melhores artistas, espetáculos de luz e som, coreografias de encantar a vista...

Então, mais um ano se passou. Se você for como eu, vai olhar para as resoluções do ano anterior (aquelas que você escreveu ainda em 2014) e ver que não conseguiu cumprir boa parte delas. A tão sonhada forma física, o curso de desenho artístico e a viagem à Fernando de Noronha em 2015, por exemplo, serão transcritas diretamente para a agenda de 2016, ipsi literis. Infelizmente, ainda não foi desta vez. Mas como diz o poeta (neste caso, eu mesmo): a vida é como um fone de ouvido dentro da...

Todo estudante de língua estrangeira sonha com o tempo em que estará falando “fluentemente” o idioma escolhido. Dentre os principais mitos citados no artigo 7 conceitos de fluência e o que você deveria saber a respeito dela, um dos mais frequentes é o de que ser fluente significa falar sem pausas. E não é pra menos. UM RÁPIDO TESTE Façamos o seguinte teste: se você fosse professor de idiomas e um aluno, ao final de uma aula, lhe perguntasse de repente “professor, o que posso fazer para melhorar a minha fluência...

Esta semana, surfando na internet, me deparei com um meme bastante bem humorado que me chamou a atenção, arrancando aquele sorriso típico de quem admite para si mesmo: ‘genial!’ Eis aqui o dito cujo: Não obstante o riso quase que inevitável, por de trás do bom humor (através de um símile que faz alusão ao estereótipo da fala de um caipira texano para dar a dimensão da dificuldade da vida), o meme também nos coloca diante de alguns questionamentos bem relevantes, especialmente para quem ensina línguas em um contexto de EFL/ELF,...

No artigo 7 conceitos de fluência e o que você deveria saber a respeito dela, apresentei algumas definições de “fluência” comumente encontradas na internet e procurei mostrar como elas são ainda bastante vagas e controversas (mesmo entre os profissionais da área de idiomas), dando ensejo aos mais diversos usos e abusos do termo pelo mercado. Ao final do artigo, propus um exercício de reflexão aos leitores: que formulassem seu próprio conceito de fluência a partir de 10 assertivas comumente utilizadas pelo senso-comum, já que, como pretendi deixar claro,...

No artigo intitulado O que nunca lhe contaram sobre terminar um curso de idiomas em tempo recorde, procurei contextualizar e explicar criticamente o surgimento da necessidade de se falar um idioma “fluentemente” (o mais depressa possível) em decorrência principalmente da mudança de paradigma e das exigências do mercado na sociedade atual. Indo na direção contrária, afirmei que a fluência em um idioma, a fim de tornar-se uma habilidade permanente, deve ser incorporada ao próprio ser como uma espécie de segunda natureza, e que cada indivíduo leva um tempo...

O aumento da renda familiar ocorrida nos últimos anos aliado à crescente demanda do mercado de trabalho por profissionais com fluência em inglês têm ocasionado um grande aumento na demanda por cursos de idiomas no Brasil. Afinal de contas, para ter um bom currículo e tornar-se um profissional valorizado é essencial aprender uma segunda língua o quanto antes. Não concordam? O MERCADO ESTÁ (SEMPRE) DE OLHO A partir da intensificação do senso comum de que não se aprende uma língua estrangeira nas escolas regulares brasileiras, especialmente ao longo das três últimas...

Com que frequência você se depara com a afirmação que dá título a este post, ou com alguma de suas inúmeras variações, especialmente no contexto da divulgação de métodos de ensino e/ou aprendizagem? No que concerne à aprendizagem de línguas estrangeiras, uma rápida pesquisa no Google logo comprova a presença dessa assertiva no discurso de boa parte das escolas nos dias de hoje (seja de idiomas, seja regular), geralmente na tentativa de explicar a sua metodologia de ensino e conquistar novos clientes: “você aprende sem perceber e quando vê já está...